Goiás realiza levantamento anual de cancro cítrico em viveiros e áreas comerciais de citros

Medida é desenvolvida com base em Instrução Normativa Federal e tem como objetivo manter o reconhecimento oficial do status de área livre do cancro cítrico

O Estado de Goiás, por meio da Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa), está realizando o levantamento anual do cancro cítrico nas áreas comerciais de citros e nos viveiros produtores de mudas cítricas, em cumprimento ao que dispõe a Instrução Normativa Federal nº 21/2018. O trabalho foi iniciado em 15 de outubro e vai se estender até 15 de dezembro deste ano.

Nesta semana, o levantamento fitossanitário foi realizado em viveiros em Goianira pelo fiscal estadual agropecuário engenheiro agrônomo Nixon Luciano Silva Ferreira, da Unidade Regional Rio das Antas (Anápolis), e pela coordenadora do Programa de Citros da Gerência de Sanidade Vegetal da Agrodefesa, Mariza Silva Mendanha.

Nos viveiros, a inspeção é realizada em todas as mudas cítricas, com base em critérios técnicos, visando a qualidade e a sanidade dos materiais propagativos que serão ofertadas no mercado. O trabalho intensivo realizado pela Agrodefesa tem caráter preventivo para evitar a introdução e disseminação do cancro cítrico no Estado.

Na ação de levantamento anual do cancro cítrico a Agrodefesa cumpre também as exigências da Instrução Normativa Estadual nº 08/2003, que proibiu a partir de maio de 2006, o plantio, o comércio e o transporte de mudas produzidas a ‘céu aberto’, ou seja no chão. Desde aquela data todos os viveiros são telados, garantindo melhor qualidade e sanidade fitossanitária das mudas cítricas.

Produção goiana

Goiás possui oito viveiros de mudas cítricas cadastrados e certificados na Agrodefesa, localizados nos municípios de Anápolis, Goianira e Goiânia, produzindo um total de 700 mil mudas/safra. Essa produção atende à demanda interna dos produtores goianos, o que significa a autossuficiência na produção de mudas cítricas. Desse modo, os produtores goianos não precisam mais adquirir mudas de outros estados e correr o risco de trazer pragas quarentenárias como o greening/huanglongbing (HLB) e o cancro cítrico, ainda inexistentes em Goiás.

Atualmente os viveiros também comercializam sua produção para outros Estados, com destaque para o Distrito Federal, Tocantins, Pará e Mato Grosso. Esse comércio interestadual comprova a qualidade e a sanidade das mudas produzidas em Goiás. É o reconhecimento do trabalho dos viveiristas goianos, ou seja, a comprovação da qualidade das mudas produzidas no Estado.

Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa) – Governo de Goiás – 3201-3546

No levantamento anual de cancro cítrico, todas as mudas são avaliadas para garantir material propagativo de boa qualidade fitossanitária

Produção de mudas de citros deve ser feita sempre em viveiros adequados e não a céu aberto

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.