Treinamento para o Levantamento fitosanitário do Complexo de Enfezamentos do Milho

Aconteceu hoje (15/04), no período da manhã, por meio de videoconferência, treinamento específico para a realização do Levantamento Fitossanitário de cigarrinhas e enfezamentos na cultura do milho promovido pela Gerência de Sanidade Vegetal (Gesav). Serão capacitados 21 Fiscais Estaduais Agropecuários /Engenheiros Agrônomos que atuam em municípios com relevante produção do grão.

O diretor de defesa Agropecuária, Sérgio Paulo proferiu a abertura do curso, dando ênfase na importância da qualificação do servidor da Agrodefesa no combate às pragas e doenças em nosso estado. “O que sustenta nosso estado é o agronegócio e é justamente o pronto enfrentamento a essas intempéries que demonstram a real importância de nossos valorosos fiscais na execução do trabalho de fiscalizar e orientar o produtor. Por tanto, desejo que esse tempo de estudo possa ser uma boa oportunidade de aprendizado a todos os envolvidos.” conclui Sérgio Paulo.

Considerando os relatos de representantes do segmento produtivo, bem como de pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) a respeito do aumento da ocorrência de sintomas das doenças denominadas como “enfezamentos” na cultura do milho, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), decidiu implantar a nível nacional o monitoramento da doença nos principais estados produtores de milho.

Segundo a Embrapa, os enfezamentos são doenças causadas pela infecção da planta por microrganismos denominados molicutes (classe Mollicutes-Reino Bacteria), que são um espiroplasma (Spiroplasma kunkelii) e um fitoplasma (Maize bushy stunt). Os molicutes invadem sistemicamente e multiplicam-se nos tecidos do floema da planta de milho e são transmitidos de plantas doentes para plantas sadias, pela cigarrinha do milho (Dalbulus maidis).

O levantamento no estado de Goiás terá início imediato e acontecerá em duas etapas. Na primeira etapa será realizada a coleta de amostras de cigarrinha do milho para verificar a sua distribuição e a presença dos agentes causadores do enfezamento do milho. Na segunda etapa serão coletadas amostras das plantas de milho para verificação da ocorrência dos enfezamentos.

A Agrodefesa, almeja com essa ação, delinear a distribuição da doença nas principais regiões produtoras de milho de modo a subsidiar a implementação de eventuais medidas legislativas visando minimizar os danos acarretados ao agronegócio goiano.

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.